quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Auto - retrato

Diz a lenda que... na verdade sou uma alienígena encontrada dentro de um cesto. No início, fui criada por um bando de capivaras e cresci largada a céu aberto naquele paraíso ecológico. Um dia, fui encontrada por um contador no meio de uma plantação de arroz, quando tentava ensinar canto coral a um grupo de galinhas. Acabei sendo adotada pela generosa família Müller.
Não sei, são histórias, não há documentos nem provas científicas.Como venho de um planeta distante, quase duas vezes maior que a Terra, meu ciclo orgânico custa a aceitar essa diéia de que o Sol nasce a cada dia 24 horas.
O que justifica a velocidade meio lenta do meu biorritmo pessoal e a dificuldade que tenho para acordar todos os dias pela manhã.Mas apesar deste problema de fuso horário, estou razoavelmente adaptada e passo por terráquea sem levantar suspeita.
Lá de onde eu venho, somos muito religiosos e a teoria evolucionista de Darwin não faria o menor sucesso. Acreditamos que Deus começou a criação pela cereja, sua obra-prima, e depois Ele foi relaxando e nunca mais fez nada igual.Tenho medo de traça e de cupim. Minha cor predileta é amarelo. Meu sonho de consumo é uma cama com colchão de água.
Hobby? Tenho vários, "mas meu preferido é aquele bege com as iniciais bordadas".
Sou uma pessoa simples.
Minha filosofia de vida é toda baseada na obra de um grande pensador, cujo nome não tô lembrando, que num dia de rara inspiração lançou a máxima "fora o que tá ruim, o resto tá tudo bom!"
E tenho dito!

Um comentário:

ToM disse...

humm, entaum ñ é soh o Paulo o adotado aqui, hauha

eu também venho de outro planeta, lá soh tem uma rosa, q é minha melhor amiga. Só q no meu planeta o sol não dorme, pois meu planeta é muito pequeno.

Saudads de vc guria. Favoritei, bjo